Article

Piolhos, lêndeas e ninfas: um verdadeiro conto de fadas!

Se há coisa que todos os pais de crianças pequenas temem, é aquele dia em que nas escolinhas é afixado o aviso da presença de piolhos na sala!
Por muitos cuidados que se tenham, há coisas que são quase impossíveis de evitar e apanhar piolhos entre as crianças de idade escolar é uma delas.
Para nós, pais, conseguirmos sobreviver a esta praga, ficam então algumas informações importantes e conselhos.

Primeiro e para melhor sabermos actuar, convém saber algumas coisas acerca destes amiguinhos das cabeças.
Os piolhos são bichinhos que vivem exclusivamente nas cabeças humanas (não infestam animais de companhia, por exemplo, nem se espalham pelo corpo, nem mesmo pelos mais peludos!). Existem outros tipos de “bichinhos” que podem viver nos pêlos corporais e noutras zonas específicas, mas não são os mesmos piolhos que habitam nas cabeças das nossas crianças (ou mesmo nas nossas mesmas cabeças).

Vivem todo o seu ciclo de vida numa cabeça cabeluda. São incapazes de voar, saltar e até mesmo andar de forma ágil numa superfície plana. São, no entanto, muito rápidos a movimentarem-se nos cabelos (até cerca de 4mm/segundo). Por este mesmo motivo, a contaminação acontece sempre por contacto directo entre cabelos e cabelos, ou cabelos e objectos que depois entram em contacto com outros cabelos.

Por exemplo: os abraços apertadinhos e as “turras” cabeça-cabeça, são algumas das brincadeiras que podem levar à transmissão directa da praga. A troca de chapéus, uso indiscriminado de pentes alheios, troca de ganchos e fitas de cabelo ou partilha de almofadas/camas são exemplos de contaminação por objectos.

Os piolhos não transmitem qualquer tipo de doença e apenas causam bastante desconforto pela comichão que provocam. Esta comichão é causada pela reacção alérgica à sua saliva, que é extremamente irritante e que é deixada pelos piolhos a cada nova refeição no nosso couro cabeludo. Pois é, os piolhos alimentam-se exclusivamente de sangue humano!
A comichão pode não aparecer logo no início da infestação, mas acabará por aparecer. Pode igualmente manter-se presente após a resolução definitiva da infestação, precisamente por se tratar de uma reacção alérgica e não é propriamente causada apenas pela presença dos piolhos.

Para evitar outras complicações, as unhas das crianças devem ser mantidas curtas e se necessário podem utilizar-se luvas de algodão para dormir para evitar a formação de feridas e infecções no couro cabeludo causadas pelo acto de coçar. É uma boa altura para voltar a usar champôs de bebé, sem perfume, hipoalergénicos e suaves para o couro cabeludo.
Fora da cabeça, os piolhos sobrevivem menos de 24h, morrendo rapidamente de desidratação. Em geral os piolhos vivem cerca de 1 mês.
Estes bichinhos reproduzem-se por ovos (lêndeas) que prendem eficazmente ao cabelo. Dependendo da cor de cabelo, estas, apesar de mais pequenas (menos de 1mm), podem ser mais facilmente identificadas, primeiro porque não fogem e segundo porque se vêem muito bem em cabelos escuros. As lêndeas são ovais, alongadas e vão desde o branco a uma cor de café com leite. Diferem das “caspas” por se encontrarem firmemente presas ao cabelo, sendo difíceis de soltar ou deslocar.
Após a colocação dos ovos, as ninfas (piolhos não adultos) nascem entre o 6º e o 10º dia. As ninfas atingem a capacidade de reprodução (colocar ovos/lêndeas) 9 a 12 dias após o seu nascimento. Cada piolha adulta pode colocar até cerca de 10 lêndeas por dia.
Um piolho adulto mede até cerca de 3mm.
Detectá-los cedo e actuar de imediato é a forma mais eficaz de controlar esta praga.
Ao longo dos anos foram surgindo inúmeras formas e “mézinhas” para resolver esta praga, mas a verdade é que desde as múmias do Egipto até aos dias de hoje, estes insectos souberam sempre como sobreviver. A verdade é que em contexto escolar, muitas vezes, dá-se a re-infestação antes ainda da resolução da primeira vaga. Isto devido ao ciclo de vida e ao tempo de eclosão dos ovos.
Todo e qualquer tratamento tem/deve ser repetido entre 7 a 14 dias após a primeira aplicação. As lêndeas são muito resistentes e é preciso deixá-las eclodir para se poderem matar os piolhos entretanto nascidos, preferencialmente antes de atingirem a idade adulta. No nosso clima temperado, as lêndeas são colocadas entre 3 a 5 mm do couro cabeludo, logo, lêndeas que estejam a mais de 1 cm do couro cabeludo já eclodiram (estão vazias) ou morreram e não vão nascer. As lêndeas não se soltam após a eclosão, logo é possível existirem lêndeas nos cabelos (a mais de 1 cm do couro cabeludo) e não haver infestação presente/activa. Isto é principalmente importante para as/os mães/pais mais preocupadas(os).

A única forma de soltar as lêndeas é por pressão física, catar ou uso de pentes metálicos finos (resulta melhor em cabelos lisos). Estas podem levar até cerca de 6 meses a desintegrarem-se e soltarem-se sozinhas.
Todos os produtos que “prometem” a eliminação de piolhos, referem-se quase que exclusivamente a piolhos e ninfas vivos(as) e não são isentos de contra-indicações ou efeitos adversos. Isto deve-se quase sempre ao facto do nosso couro cabeludo ser muito permeável a químicos e potencialmente reactivo a todas as sustâncias estranhas uma vez que já se encontra, à partida, a reagir à saliva dos piolhos.
Por este mesmo motivo, e para dar sentido ao dito popular: “casa de ferreiro, espeto de pau”, cá em casa, o método de eleição é a electrocussão.  Sim, estou a falar a sério! Existem já no mercado vários tipos de pentes metálicos eléctricos que funcionam com uma baixa voltagem (normalmente uma pilha AA de 1,5v) e que se limitam a electrocutar os amiguinhos de 6 patas.  É importante o cabelo estar bem seco e desembaraçado, e ter especial atenção à zona junto às orelhas e ao cimo do pescoço, de resto é apenas garantir que todo o cabelo passa no pente e que este percorre todo o cabelo preferencialmente de forma rápida mas eficaz. Em cabelos encaracolados, ou mais espessos, pode ser necessário ir fazendo mechas de cabelo de forma a garantir que todos os cabelos passam no pente. Em cabelos finos e lisos (abençoada genética cá de casa) é bastante rápido. Esta é uma forma eficaz de controlar a infestação. No entanto e como em todos os outros métodos, não chega uma única passagem, é importante ir fazendo ao longo dos dias e enquanto durar a infestação da escola/sala. Não é necessário todos os dias, mas se a infestação está activa na escola, mal não faz em fazer cada vez que se chega a casa de forma a evitar que uma nova piolha passe a noite a colocar novos ovos e a infestação se mantenham activa também em nossa casa.
Apesar do investimento mais elevado de início, parece-me ser mesmo assim uma boa solução uma vez que é um investimento único que dá para a utilização de todos os membros da família. O único cuidado é fazer uma boa limpeza do pente entre cada utilização, removendo todos os cabelos e ou impurezas acumuladas entre os dentes do pente. A passagem de um toalhete com álcool pode ajudar.
A roupa de cama (principalmente fronhas de almofadas) deve ser lavada acima de 60ºC. A esta temperatura, tanto piolhos como ninfas e lêndeas (ovos) são eliminados. Objectos mais delicados como ganchos ou fitas de cabelo podem ser guardadas fechadas durante mais de 24h para garantir que não têm nenhum bichinho vivo durante a utilização seguinte. Deve-se ter o cuidado de eliminar bem os cabelos de todos os pentes, escovas, ganchos, chapéus, etc… de forma a garantir que também nenhum ovo/lêndea eclodirá entretanto.
Apesar de incómoda este tipo de praga não obriga à evicção escolar, sendo que a escola deve ser alertada para que toda a comunidade possa ter os devidos cuidados de vigilância.

Article

Alguns mitos relacionados com as fraldas

fraldas

Foto via freeimages.com

Em caso de assadura não se pode usar toalhetes na muda da fralda e é bom lavar sempre com água

Quando há uma assadura, ou uma vermelhidão, eritema, infecção fúngica ou bacteriana, na zona da fralda há sempre quem recomende que se lave a pele com água a todas as mudas de fralda. Como todas as recomendações generalistas, esta é mais uma que pode dar em asneira. Pensem lá: como ficaria a vossa pele de tomassem 6 a 8 banhos por dia? A água por muito inofensiva que pareça pode levar a secura excessiva da pele. Isto numa pele saudável já obriga a medidas de hidratação extra, numa pele já lesionada pode potenciar o aparecimento de outros problemas associados à perda de integridade da barreira da pele que, por secura excessiva, perde a camada de gordura (sebo/primeira barreira), perde a camada de células mortas (córnea/segunda barreira), ficando dessa forma mais exposta a vírus/fungos/bactérias, etc… Portanto, e em qualquer afecção da zona da fralda, o mais importante é minimizar o contacto da pele com fezes e urina, seja usando fraldas mais absorventes (chamadas “rabinho seco”) ou seja aumentando a frequência de troca (idealmente imediatamente a seguir a cada uso da mesma). É igualmente importante garantir uma adequada  higienização, removendo todos os detritos, e, por fim, fornecer à pele as condições ideais para uma rápida regeneração.

As fraldas descartáveis causam alergias
Em teoria toda e qualquer substância pode causar alergia numa pele suscetível. E aqui podemos incluir o metal das molas das reutilizáveis, o detergente impregnado no algodão das mesmas, os elásticos (quer das descartáveis, quer das reutilizáveis), etc.

Article

Fraldas e fraldinhas

O universo das fraldas é algo incontornável para qualquer recém-família. A começar pela quantidade, passando pelos tipos, modelos, impacto ambiental e económico, algo tão simples quanto uma fralda, pode tirar horas de sono e descanso aos futuros pais e ter impacto real na saúde e bem estar do bebé.

Vamos então por partes…

fraldaFoto via freeimages.com

Quantidade:
Um recém-nascido pode sujar entre 8 e 12 fraldas por dia.
Mais para a frente diminui ligeiramente mas nunca baixa mais do que 5 por dia até por volta dos 2/3 anos.

Tipos e Modelos:
Existem fraldas descartáveis (usar e deitar fora) e reutilizáveis (usar, lavar e voltar a usar).
Nas descartáveis existem as de absorção rápida, as de grande capacidade para períodos mais longos (ex: noite), as de absorção à base de fibras (menos eficazes a manter rabinhos secos),  as à base de polímeros (isolam melhor a humidade), as  biodegradáveis, as específicas para usar em água (ex: piscina, mar), as fraldas de adesivos e as de cueca (que ajudam na transição para largar as fraldas).
Nas reutilizáveis existem as ajustáveis de tamanho único (acompanham o crescimento da criança), as tradicionais em vários tamanhos, as de bolso (têm absorventes que se inserem num bolso interno), as integradas em fatos de banho para uso em água (ex: piscina, mar), etc…

Impacto Ambiental e Económico:
Obviamente, as descartáveis não biodegradáveis aumentam em muito a nossa pegada ecológica. A practicidade paga-se com impacto ambiental. A meio caminho existem as descartáveis  biodegradáveis que apesar de não serem 100% degradáveis sempre aliviam a nossa consciência ecológica. A pegada fica menor com as reutilizáveis, claro. No entanto não nos podemos esquecer das lavagens necessárias, a poluição de água com detergentes, os consumos de eletricidade, etc… certo?
Economicamente falando, toda e qualquer opção tem grande impacto no orçamento familiar. As reutilizáveis obrigam a um maior investimento inicial que é rentabilizado mais tarde (e principalmente quando se volta a ser pai), as descartáveis obrigam a um gasto regular e mais ou menos constante ao longo de 2 a 3 anos.

E quantos mitos relacionados com as fraldas, conhecem? Próximo artigo!